• denuncias
  • peticionamento
  • Mediação
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • Campanha de combate à violência contra a mulher
  • cacau abre
  • Sem título-1
  • peticionamento eletronico DTI
  • AVISO TELEFONIA2

Campanha de combate à violência contra a mulher

O Ministério Público do Trabalho de São Paulo realiza a campanha de combate à violência contra a mulher, vinculando o seu impacto na igualdade de gênero no trabalho, dentro dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher. A campanha será realizada nas redes sociais pela representação regional da Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho – COORDIGUALDADE.

Esta campanha tem por objetivo conscientizar e chamar a sociedade brasileira, empresas e sindicatos atuar na eliminação da violência contra a mulher. Os quadros analisam situações de violência de gênero, violência doméstica e discriminação da mulher no mundo e Brasil.


A violência contra a mulher repercute negativamente no ambiente de trabalho, reduzindo a produtividade e afeta a diretamente a mulher que sofre com baixa autoestima, inúmeras interrupções na carreira, adoecimento físico e mental e desperdício de talentos e conhecimento.


Os tipos de violência assumem formas variadas, desde a violência física, psicológica, moral e sexual, até a violência patrimonial expressa na persistência da desigualdade salarial entre mulheres e homens no exercício da mesma função ou funções equivalentes.


Os 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher se iniciam no dia 25 de novembro de 2018.


Origem do Dia Internacional para a não-Violência Contra as Mulheres: A Organização das Nações Unidas (ONU), desde 1999, reconhece o dia 25 de novembro como desta data para conscientizar os homens sobre o papel que precisam desempenhar para colaborar com o fim da discriminação e violência contra as mulheres. A data surgiu em decorrência do Dia Latino-americano de Não Violência Contra a Mulher, que foi criada durante o Primeiro Encontro Feminista Latino-Americano e Caribenho de 1981, realizado em Bogotá, Colômbia. O dia foi escolhido em homenagem às irmãs Pátria, Maria Tereza e Minerva Maribal, que eram ativistas de direitos humanos, que foram violentamente torturadas e assassinadas nesta mesma data, em 1960, a mando do ditador da República Dominicana Rafael Trujillo.


Curiosidade: O Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres é celebrado anualmente em 6 de dezembro, através do Decreto de Lei nº 11.489, de 20 de junho de 2007. O objetivo desta data é conscientizar os homens sobre o papel que precisam desempenhar para colaborar com o fim da discriminação e violência contra as mulheres. A escolha desta data remete a um caso de violência ocorrido no Canadá, em que Marc Lepine, um jovem de 25 anos, invadiu uma sala de aula da Escola Politécnica de Montreal (Canadá) e ordenou que todos os homens abandonassem o local, para que pudesse assassinar todas as mulheres daquela turma. Logo após este ato hediondo, Marc se suicidou mas deixou uma carta em que explicou que a chacina decorrida do fato de que não admitia que mulheres frequentassem o curso de Engenharia, uma área tradicionalmente masculina. Em consequência, um grupo de homens canadenses criou a Campanha do Laço Branco (White Ribbin Campaign), um movimento que visa fomentar a igualdade de gêneros e uma nova visão sobre a masculinidade, que no Brasil se expressa na Campanha Laço Branco, coordenada pela Rede de Homens pela Equidade de Gênero (RHEG).

Imprimir

  • banner pcdlegal
  • banner abnt
  • banner corrupcao
  • banner mptambiental
  • banner radio
  • banner trabalholegal
  • Portal de Direitos Coletivos